“O cenário mais inebriante que eu vi até agora”. Foi assim que o poeta Mark Twain definiu o lago de Como em 1869. Se é possível descrever o lago dessa maneira, é igualmente surpreendente andar pela cidade sem saber exatamente para onde olhar.

Não é de hoje que a cidade de Como é uma das metas turísticas mais renomadas da Itália. Localizada perto da divisa com a Suíça, entre os Alpes e o vale do rio Pó, na Lombardia, Como tem uma forte tradição na indústria têxtil e na manufatura de seda. Nos últimos anos, o turismo se fortaleceu especialmente por conta de personalidades como George Clooney, Madonna, Gianni Versace (entre outros) que residem em vilas luxuosas em volta do lago. Mas a cidade, obviamente, não se reduz a isso e encanta pelas cores, pela beleza, pela tranquilidade que transmite.

Lago de Como - Itália.
Lago de Como – Itália. Foto: Michael Gottwald / Pixabay

Em Como, você encontra um pouco de tudo. Ou melhor, tudo de tudo: existe aqui uma vida cultural intensa, rica e variada.

Alessandro Volta

Para entender melhor a alma da cidade, é necessário saber quem é Alessandro Volta, uma vez que boa parte dos pontos turísticos e monumentos faz homenagem a este ilustre cidadão. O sobrenome não há de parecer tão estranho, ao contrário. O termo “volt” para nós é algo tão corriqueiro que nem nos damos conta de que carrega uma grande história: Volta (1737 – 1798) foi o inventor da pilha elétrica. Seus estudos, segundo Albert Einstein, são a base fundamental de todas as invenções sucessivas no mundo científico.

Para dar uma ideia de como foi grande a contribuição de Alessandro Volta para o meio científico, uma das histórias mais conhecidas conta que, passeando de barco pelo Lago Maggiore, em Angera, o físico, que estudava química e eletricidade atmosférica havia dois anos, descobriu o gás metano cutucando com uma vara o fundo do lago, de onde se desprendia um gás que chamaria de “ar inflamável dos pântanos”. Volta realizaria, posteriormente, estudos que resultaram na criação da pistola de Volta, um dispositivo para medir a força de uma explosão.

Leia também FLORENÇA: 5 OBRAS IMPERDÍVEIS DA GALLERIA DEGLI UFFIZI

Monumento Alessandro Volta em Como - Itália.
Monumento Alessandro Volta em Como – Itália. Foto: Fritz_the_Cat / Pixabay

Um dos pontos turísticos imperdíveis que o celebra é o Tempio Voltiano, onde é possível conferir documentos e materiais sobre a sua vida e conhecer os instrumentos científicos originais. A construção neoclássica é fascinante. Do lado de fora, os jardins públicos frequentados constantemente pelos cidadãos e turistas dão um tom especial a um passeio ao longo do lago.

Tempio Voltiano em Como - Itália.
O Tempio Voltiano, projetado pelo arquiteto Federico Frigerio e inaugurado em 1928. Guarda os originais e reconstruções dos instrumentos científicos de Volta. Foto: Andreas Metz / 123RF

Não muito longe dali, vale a pena visitar a casa do físico no centro histórico da cidade e conferir a Piazza Volta, onde se encontra a linda estátua de mármore em sua homenagem, datada de 1838 e inaugurada por Pompeo Marchesi, um dos mais célebres escultores da época. O local traduz a Como mais vivaz: crianças brincando pelas ruazinhas, velhinhos com os seus jornais, cafés com mesas nas calçadas, lojas, bares e aquele burburinho gostoso e charmoso das cidades pequenas.

Estátua de Alessandro Volta, na Piazza Volta
Estátua de Alessandro Volta, na Piazza Volta. Foto: FSosio / Commons Wikimedia

Como entre passado e presente

Em Como, passado e presente se complementam num diálogo constante. Descoberta e conquistada pelos romanos, desde cedo representou um polo medieval de prestígio em virtude da importância do lago para a navegação e também para a defesa dos territórios da região do rio Pó.

Leia também TUDO SOBRE LECCE, A FLORENÇA DO SUL

Museu da Seda

Não menos importante para o status da cidade foi a produção de tecidos. O setor têxtil ao longo dos séculos foi sempre tão marcante na região que, atualmente, Como continua sendo reconhecida como a capital mundial da seda. Inclua na sua programação uma ida ao Museo della Seta que abriga antigos maquinários, teares, utensílios e tecidos que contam a história de uma tradição cultural centenária de trabalhos com a seda do fim do século XIX até as últimas décadas do século XX. O museu é também palco para eventos culturais e tem um ponto de venda de produtos relacionados ao universo têxtil.

Museo della Seta em Como Itália.
Museo della Seta em Como. Foto: Ysogo / Wikipedia

Torre Gattoni

A cidade é repleta de monumentos históricos que vão desde o século XII até o século XX. Um excelente exemplo deste encontro é a Torre Gattoni, local onde Volta conduziu seus primeiros experimentos científicos, por volta de 1765, e o maravilhoso Life Eletric, de Daniel Libeskind, construído em 2015. A obra tem 16 metros de altura, está posicionada no próprio lago e se inspira na tensão elétrica entre dois polos de uma bateria, brincando com as curvas em movimento que refletem a cidade.

Torre Gattoni
Torre Gattoni. Foto: Sailko / Commons Wikimedia

Porta Torre

Se você é daqueles que gosta de viajar ainda mais no tempo, a ideia de conhecer uma fortaleza de 1192 é bastante empolgante! Testemunho incrível da época medieval, a Porta Torre tem 40 metros de altura, era usada como entrada da cidade para os que vinham de Milão e fazia parte do sistema defensivo da cidade junto com a muralha, cujos restos ainda estão bem conservados, muito embora tenha atravessado os séculos entre edificações e destruições, desde o período romano até a invasão dos austríacos.

Porta Torre - Como.
Porta Torre. Foto: Marlon Trottmann / Bigstock
Porta Torre
Porta Torre. Foto: Alex Rotenberg / Bigstock

Leia também CONHEÇA A HISTÓRIA DO COLISEU, O MONUMENTO SÍMBOLO DA ITÁLIA

Palazzo Broletto e Duomo de Como

Outro ponto imperdível é o Palazzo Broletto, de 1200, de estilo gótico-romano. No período medieval, era a sede da comuna da cidade, mais tarde abrigou o arquivo histórico e um teatro. Atualmente recebe mostras artísticas e congressos. Ao lado, a Catedral de Santa Maria Assunta, cuja construção começou em 1396, com o projeto de Lorenzo degli Spazzi. Em estilo gótico-lombardo que se mistura ao renascimental, o exterior da catedral é inteiro de mármore liso e elementos decorativos. O Duomo levou nada menos do que 400 anos para ser concluído: de 1396 a 1734. O interior reserva tapeçarias dos séculos XV e XVI, pinturas e afrescos que confirmam a sua beleza estonteante. Não deixe de registrar o órgão de 1932 da casa Balbiani Vegezzi Bossi de Milão.

Duomo de Como e Palazzo Broletto - Itália.
Duomo de Como e Palazzo Broletto – Itália. Foto: Lee Yiu Tung / Bigstock
Catedral de Santa Maria Assunta (Duomo de Como)
Catedral de Santa Maria Assunta (Duomo de Como). Foto: Joaquin Ossorio Castillo / 123RF

Fontana di Carmelata

E tem mais. A Fontana di Carmelata, obra arquitetônica e artística de Cesare Cattaneo e Mario Radica, de 1936, é uma composição de elementos circulares e esferas que parecem brincar nessa geometria e são embaladas pelas águas.

Fonte de Camerlata Como - Itália
Fonte de Camerlata Como – Itália. Foto: Francesco Camporini / Commons Wikimedia

Termas Romanas

Para terminar esse vai e vem entre passado e presente, complete a sua visita à história com um pulinho nos quase 1.500 m² das Termas Romanas, da primeira metade do século I d.C. Graças a minuciosas obras de recuperação, é possível visitá-las com um percurso sobre passarelas elevadas que permitem ver os restos do que foi escavado e os gessos recuperados.

Termas Romanas de Como - Itália
Termas Romanas de Como – Itália. Foto: Nord794ub / Commons Wikimedia

Leia também NÁPOLES, 5 LUGARES PARA VOCÊ VISITAR

As mansões majestosas

É impossível passear por Como e não notar a riqueza arquitetônica através da qual a cidade vai contando a sua história e deixando entrever a sua personalidade.

Como é cheia de mansões muito charmosas que dão um ar aristocrático à cidade e refletem os mais variados estilos. Um ótimo exemplo disso é a Villa Olmo, a mais imponente das mansões da cidade: é um grande complexo de arquitetura neoclássica que hospeda manifestações culturais e mostras de arte, além de contar um amplo parque e um lido ideal para relaxar. O nome vem de uma árvore centenária, o olmo, que à época da edificação da vila estava ali. A vila já teve hóspedes como Napoleão Bonaparte, Giuseppe Garibaldi e Ugo Foscolo.

Villa Olmo em Como - Itália.
Villa Olmo em Como – Itália. Foto: nata_rass / Bigstock

Há outras: Villa Sucota, Villa Saporiti, Villa Gallia e Villa del Grumello.

Villa Rotonda Saporiti em Como - Itália.
Villa Saporiti – La Rotonda: Atualmente sede da Administração Provincial, foi construída entre 1790 e 1793 pela marquesa Eleonora Villani. A construção conserva o aspecto original até hoje, e tem vista para o lago. Foto: Byvalet / 123RF

A Villa Gallia é a mais antiga e foi construída como residência de versão do abade Marco Gallio, em 1615.

Villa Gallia - Lago de Como.
A Villa Gallia é a mais antiga e foi construída como residência de versão do abade Marco Gallio, em 1615. Foto Giuseppemasci / 123RF

Os mercados e gastronomia

Na Piazza Cavour, na beira do lago, os turistas têm a oportunidade de visitar diversos mercados localizados no centro histórico, ao longo das muralhas medievais e no lago, cada um com propostas diferentes. É o caso do Mercato dell’Antiquariato e do Mercato dell’Artigianato, assim como mercados focados em enogastronomia, mercados de produtores locais que oferecem uma grande variedade de itens de excelente qualidade.

Piazza Cavour - Lago de Como.
Piazza Cavour – Lago de Como. Foto: Elesi / Bigstock

A culinária tradicional de Como convida os turistas a experimentar pratos ligados ao território, ao lago e às montanhas. É o caso, por exemplo, da polenta gialla, acompanhada de carne, peixes do lago (a grande especialidade típica são os misultitt) ou queijos – para os “queijólatras” de plantão, uma variedade de queijos como o semuda, zincarlin e triangolo del Lario. Não deixe de provar o azeite extravirgem Dop Laghi Lombardi-Lario e os vinhos tintos e brancos da região.

Polenta gialla e misultitt, prato típico da região de Como.
Polenta gialla e misultitt, prato típico da região de Como. Foto: @marcellopozzi

Mais cultura

De fato, a cidade respira cultura. São vários os teatros, entre eles o Teatro Sociale, inaugurado em 1813 e palco dos grandes intérpretes da música clássica e da ópera. Recebe também espetáculos de prosa, dança e outros concertos.

É possível visitar diversos museus como Museo Archeologico Paolo Giovio, o Museo Storico Giuseppe Garibaldi e a Pinacoteca Civica.

Museo Storico Giuseppe Garibaldi.
Museo Storico Giuseppe Garibaldi. Foto: Qazxsw / Commons Wikimedia

Leia também MOSTEIRO DE SANTA CATERINA DEL SASSO – LAGO MAGGIORE

Há ainda cinemas com exibições diurnas e noturnas como o Spazio Gloria, Cinelandia e Cinema Astra. Falando em cinema, se você estiver com a sensação de já conhecer um pouco do Lago de Como, é porque ele foi cenário do Episódio II da saga Star Wars! É naquele terraço do planeta de Naboo que Padmé e Anakin resolvem se casar em segredo.

Depois de conhecer a cidade de Como, uma das opções é pegar o barco, passear pelo lago e atracar em Lenno para conhecer a famosa Villa del Balbianello, cujo parque serviu de cenário para o filme.

Villa del Balbianello - Lago de Como.
Villa del Balbianello – Lago de Como. Foto: EzPzPics / Pixabay

A cidade conta com inúmeras atrações e oportunidades que agradam todos os gostos. É possível respirar a Como medieval e, ao mesmo tempo, admirar as obras recentes do século XX que revelam a modernidade da cidade. Em cada canto da cidade, existem aspectos culturais e históricos que não podem ser deixados de lado. Lembre-se que as melhores épocas para conhecer a cidade são primavera e outono, justamente porque no verão tudo fica lotado e muito se perde da vivência do lugar.

Navegação pelo lago de Como
Navegação pelo lago de Como. Foto: Photo_FH / Bigstock

Para que a viagem fique bem gravada na memória, depois de conhecer todos esses lugares, finalize a experiência a bordo de um barco pelo lago. Há duas opções de transporte: os barcos particulares, que custam € 300 e levam 12 passageiros, e públicos que percorrem as cidadezinhas próximas (o valor das passagens varia de € 1,30 a € 14,80 dependendo do trajeto escolhido).

Deu para perceber que Como é uma daquelas viagens inesquecíveis e especiais. É o tipo de cidade que te faz sentir em casa e, ao mesmo tempo, no mundo.

Panorama da Catedral e Centro histórico de Como - Itália.
Panorama da Catedral e Centro histórico de Como – Itália. Foto: Boris Stroujko / Bigstock

Por Marina Pasquarelli Perez
Foto de capa: Boris Stroujko / Bigstock