Siena é uma cidade rica de cultura e de tradição, que mantém ainda o charme e a atmosfera de um centro medieval italiano. Além do seu famoso Palio e da sua belíssima praça principal, a Piazza del Campo, Siena pode também se gabar de ter uma das catedrais mais magnificentes e ricas artisticamente não só da Itália, mas de toda a Europa: do piso ao teto, das paredes aos vitrais, praticamente cada ângulo desta igreja única esconde uma obra-prima da arte italiana. Conheça um pouco melhor a beleza estonteante do imponente Duomo di Siena.

Vista aérea de Siena, Toscana - Itália.
Vista aérea de Siena, Toscana – Itália. Foto: ©jarre / 123RF.COM

1. Catedral de Siena, um projeto audacioso

O grande projeto, que levaria no decorrer dos anos à realização da enorme catedral que hoje podemos ver, começa no século XIII: dois dos maiores artistas da época, Nicola Pisano e seu filho Giovanni Pisano, são chamados para se encarregar do desafio. A escolha de alternar na decoração faixas de mármore branco com faixas de mármore preto é já uma homenagem à cidade de Siena, cujo brasão, a balzana, apresenta estas duas cores.

Interior da Catedral de Siena, Toscana.
Interior da Catedral de Siena, Toscana. Foto: Paanna / Bigstock

Quem observa a Catedral de fora logo percebe uma coisa um pouco estranha: atrás dela corre um longo muro inacabado, com uma fachada gigantesca também abandonada. Pois bem, isto é o que resta hoje de um segundo projeto, ainda mais ousado que o primeiro, de ampliação da Catedral! Isso porque no século XIV a cidade de Florença também estava construindo sua enorme catedral, a de Santa Maria del Fiore; ora, o povo de Siena, eternamente rival de Florença, não queria ficar para trás e, visto o período de opulência em que vivia, resolveu tornar a própria catedral ainda maior do que a dos florentinos, aliás, até mesmo a maior catedral de toda a Europa: imaginem que a igreja atual, já colossal, deveria ser somente o transepto da nova catedral projetada!

Catedral de Siena. Foto: Petr Jilek / Bigstock
Catedral de Siena, A “fachadona”, resquício do ambicioso projeto de ampliação que nunca foi levado a cabo.
Catedral de Siena, A “fachadona”, resquício do ambicioso projeto de ampliação que nunca foi levado a cabo. Foto: Miguel Hermoso Cuesta / Commons Wikimedia (domínio público).

Mas o ambicioso projeto nunca foi levado a cabo porque, poucos anos depois do início das obras, a peste negra atingiu a cidade, dizimando a sua população e arruinando por décadas a sua economia: era o fim de uma época e o projeto de ampliação jamais seria retomado. Resta hoje somente um esboço daquela que teria sido a segunda, colossal fachada da nova Catedral, e que se tornou um dos símbolos da cidade, que os sieneses chamam carinhosamente de facciatone (“fachadona”).

2. O piso

“O mais bonito, grande e magnífico que jamais tenha existido” – assim definia Vasari, o grande historiador da arte italiano, o piso da Catedral de Siena. E realmente o primeiro impacto com essa obra-prima deixa impressionados: trata-se de uma sucessão de enormes e belíssimos mosaicos lavrados em mármore por todo o amplo piso da Catedral, numa área total de 1300 metros quadrados!

Piso da Catedral de Siena. Hermes Trismegisto transmite a sabedoria aos povos.
Um dos painéis que decoram o piso da Catedral de Siena: Hermes Trismegisto transmite a sabedoria aos povos. Foto: Rafael Katayama / Bigstock
Piso da Catedral de Siena. Moisés no Monte Sinai quebra a tábua dos comandamentos.
Moisés no Monte Sinai quebra a tábua dos comandamentos. Foto: Commons Wikimedia (domínio público).

Os 56 painéis mostram cenas e histórias diferentes: de episódios do Velho Testamento, a representações simbólicas das Virtudes, às Sibilas do mundo antigo (as famosas profetisas que também Michelangelo imortalizou na Capela Sistina). É surpreendente a técnica de composição destes mosaicos, chamada de intársia: as cenas são construídas mediante o encastramento de diferentes lastras de mármore colorido que, acopladas umas às outras, compõe estes verdadeiros quadros em pedra.

Piso da Catedral de Siena.
Piso da Catedral de Siena. Foto: Daisy_83 / Bigstock

É um espetáculo único, de formidável beleza e maestria, que impressiona o visitante que tem a sorte de admirá-lo. Sim, porque o piso fica coberto quase o ano inteiro para garantir a sua preservação e é descoberto por menos de 2 meses no ano. Em 2021 ficou aberto entre os dias 26 de junho e 31 julho e de 18 de agosto a 17 de outubro.

3. As esculturas

Mas não é só olhando para o piso que você poderá apreciar a beleza única desta Catedral: praticamente toda a igreja é um verdadeiro museu, que coleciona obras-primas imersas em uma atmosfera misteriosa e sugestiva. Além dos espetaculares mosaicos, a Catedral abriga também estátuas de alguns dos maiores nomes da arte italiana de todos os tempos: escultores como Donatello, Michelangelo e Bernini deixaram aqui esculturas em bronze e em mármore que tornam ainda mais precioso o já rico patrimônio artístico desta Catedral.

Estátuas de São Jerônimo e Maria Madalena, realizadas pelo célebre escultor Lorenzo Bernini. Foto: Sailko / Commons Wikimedia (domínio público).

4. O púlpito de Nicola Pisano

Particularmente famoso é o magnífico púlpito esculpido por Nicola Pisano. Realizado nos primeiros anos de construção da Igreja, entre 1265 e 1268, com o valioso mármore de Carrara, o púlpito é considerado uma das mais belas criações do estilo gótico italiano e a obra-prima do escultor.

O belíssimo púlpito da Catedral de Siena, obra-prima do escultor Nicola Pisano.
O belíssimo púlpito da Catedral de Siena, obra-prima do escultor Nicola Pisano. Foto: Commons Wikimedia (domínio público).

Sustentado por elegantes colunas que se apoiam nas costas de leoas e leões, o púlpito é decorado por estupendos painéis esculpidos em mármore que representam diversas cenas da Bíblia, como a fuga no Egito, a adoração dos reis magos e a crucificação. As numerosas figuras que lotam as cenas dos painéis são cheias de vidas e sentimento, revelando a grande maestria de Nicola Pisano, um dos maiores artistas de seu tempo.

5. A biblioteca Piccolomini

Além das esculturas, muitos quadros e afrescos espalhados pela Catedral também são dignos de toda admiração. Absolutamente única e merecidamente celebrada é a magnífica biblioteca Piccolomini: construída em homenagem ao papa Pio II (veja nosso artigo sobre ele aqui) no intento de abrigar a sua rica coleção de livros e manuscritos, as paredes da biblioteca foram inteiramente pintadas pelo famoso pintor de Perugia, Pinturicchio, que conta em seus deslumbrantes afrescos a aventurosa vida do papa Pio II. Trata-se de um monumento único, entre os mais importantes e belos do Renascimento italiano, um outro motivo de orgulho para a já esplêndida Catedral de Siena.

Catedral de Siena: Interior da Biblioteca Piccolomini com os afrescos de Pinturicchio. Ao centro o Grupo de mármore das Três Graças (cópia romana de um original helenístico). Foto: Dietmar Rauscher / Bigstock.
Pio II chega a Ancona para dar início a cruzada; detalhe do célebre afresco de Pinturicchio realizado na Biblioteca Piccolomini, dentro da Catedral de Siena.
Pio II chega a Ancona para dar início a cruzada; detalhe do célebre afresco de Pinturicchio realizado na Biblioteca Piccolomini, dentro da Catedral de Siena. Foto: Sailko / Commons Wikimedia (domínio público).

6. Os vitrais

Para tornar a sua atmosfera ainda mais sugestiva e misteriosa, a Catedral é constelada por enormes e preciosos vitrais. Entre estes, o mais famoso e belo é o vitral posto sobre o abside, acima do altar principal, criado pelo renomado pintor sienês Duccio di Buoninsegna: com 5,6 metros de diâmetro e  realizado em 1288, é um dos vitrais mais antigos da Itália. Os painéis do vitral contam com grande dramaticidade a história de Maria, da sua morte até a sua assunção e coroação nos céus: trata-se de uma imponente homenagem à Nossa Senhora, à qual a Catedral de Siena é dedicada.

Famoso vitral de Duccio di Buoninsegna o original hoje é conservado no Museo dell’Opera del duomo.
Famoso vitral de Duccio di Buoninsegna o original hoje é conservado no Museo dell’Opera del duomo. Foto: ©José Luiz Bernardes Ribeiro / Commons Wikimedia (domínio público).
Galeria de estátuas e vitral de Duccio di Buoninsegna – Museo dell’Opera del duomo. Foto: Daisy_83 / Bigstock

7. O coral

Para completar a tua visita à Catedral, não deixe de apreciar o belíssimo coral da igreja, lavrado inteiramente em madeira, e famoso principalmente pelas belíssimas gravuras realizadas com a técnica da intársia pelo frei Giovanni da Verona, um dos maiores gênios da história da carpintaria italiana. O resultado são belíssimas imagens que parecem pintadas, mas que na verdade foram entalhadas meticulosamente na madeira com uma técnica extremamente complexa e delicada: não deixe de apreciá-las de perto!

Coro da catedral de Siena.
Coral da catedral de Siena. Foto: Bill Perry / Bigstock

 

Leia também: ITÁLIA: ATUALIZAÇÃO DAS REGRAS PARA A ENTRADA DE BRASILEIROS


Por Yuri Borges Loyola
Foto de capa: Anastasiya Guseva / Bigstock