Certamente uma das joias do Lago de Garda e de todo o norte da Itália, Sirmione é famosa internacionalmente seja pela beleza de sua paisagem, seja pelas suas salutíferas águas termais. A cidade, no entanto, tem também muito a oferecer em termos de história, cultura e lazer: conheça um pouco melhor este lugar romântico e fascinante, amado pelo poeta latino Catulo, que o imortalizou em seus versos definindo Sirmione “menina-dos-olhos de todas as ilhas e penínsulas”.

Vista de Sirmione – Lago de Garda. Foto: Marcorubino / Bigstock

A cidade de Sirmione

A cidade de Sirmione se situa no belíssimo Lago de Garda, mais precisamente em uma península muito famosa pela sua forma peculiar, alongada e estreita, que se projeta no lago, dando quase a impressão de ser uma ilha que flutua sobre as suas belas águas.

Sirmione é extremamente fascinante e bonita: além do imponente castelo que acolhe quem chega com a sua ponte levadiça, o centro proporciona uma atmosfera charmosa e quase que de conto de fadas graças à sua pavimentação de seixo à moda antiga, aos seus muros de pedra e às suas tantas vielas estreitas, que oferecem uma vista maravilhosa do lago em um cenário considerado entre os mais românticos da Itália.

Piazza Castello, Sirmione - Lago de Garda.
Piazza Castello, Sirmione – Lago de Garda. Foto: ©wjarek / 123RF.COM

O Castelo Scaligero

Toda essa atmosfera encantadora é acrescida ainda mais pela presença do Castelo Scaligero, um dos mais bem conservados da Itália. Imponente, ele é também um dos poucos castelos em toda a Europa construídos por sobre um lago e banhados de água por todos os lados. O castelo foi inteiramente circundado de água para torná-lo ainda mais seguro a possíveis ataques, isolando-o completamente do externo e praticamente impossibilitando a entrada dos inimigos. É por essa razão que o Castelo Scaligero chegou à nossa época quase intacto e muito bem preservado: um belíssimo e majestoso monumento para se ver e visitar.

Castelo Scaligero - Sirmione.
Castelo Scaligero – Sirmione. Foto: ©bwzenith / 123RF.COM
Certamente uma das joias do Lago de Garda e de todo o norte da Itália, Sirmione é famosa internacionalmente seja pela beleza de sua paisagem, seja pelas suas salutíferas águas termais. A cidade, no entanto, tem também muito a oferecer em termos de história, cultura e lazer: conheça um pouco melhor este lugar romântico e fascinante, amado pelo poeta latino Catulo, que o imortalizou em seus versos definindo Sirmione “menina-dos-olhos de todas as ilhas e penínsulas”.
Sirmione – Lago de Garda. Foto: Sergey Belov / 123RF

A lenda do fantasma do castelo

Falando do castelo, não podemos deixar de narrar a trágica história dos seus mais famosos moradores, Ebengardo e Arice. Conta-se que os dois jovens, apaixonados e casados havia pouco tempo, numa noite de inverno assolada por uma tempestade, acolheram com generosidade em seu castelo o nobre marquês Elaberto, que desesperado buscava abrigo da forte chuva. O jovem marquês, todavia, arrebatado pela beleza de Arice, confundiu sua gentileza de anfitriã com algo menos nobre e, na calada da noite, resolveu se embrenhar sorrateiramente nos aposentos da jovem dama. Arice, porém, rechaçou com veemência as investidas do hóspede, que até então havia crido que fosse de nobre coração; Elaberto, enfurecido com a moça que o rejeitara, sacou de um punhal e a matou.

A chegada do nobre marquês Elaberto ao castelo.

O grito derradeiro de Arice despertou o marido Ebengardo de seu sono: desesperado, ele correu em vão até o quarto da esposa, onde ainda pôde encontrar Elaberto perto do corpo, com o punhal de sangue nas mãos. Cego de ódio, Ebengardo se lançou contra o assassino de sua amada e, após uma difícil luta, conseguiu enfim matá-lo utilizando aquele mesmo, funesto punhal. A vingança, todavia, não amenizou a dor insanável do jovem Ebengardo: inconsolável, ele se trancou dentro dos muros do castelo para que o tempo consumisse aos poucos a triste vida lhe restava. Há quem diga que até hoje o seu fantasma vague pelos corredores do castelo, ainda aflito pela morte de sua amada Arice e pela angústia de não a ter podido salvá-la.

As grutas de Catulo

Na ponta da península de Sirmione se encontra o maior parque arqueológico de todo o norte da Itália: trata-se das imponentes ruínas de uma antiga mansão romana de época imperial. O parque é popularmente conhecido como “Grutas de Catulo”, pois no passado acreditava-se se tratar de fato da moradia do famoso poeta latino Catulo, o qual, embora nascido em Verona, cantou em um famoso poema a beleza desta península, onde sua família possuía uma residência de veraneio: “Sirmione, menina-dos-olhos de todas as ilhas e penínsulas […] com que prazer e com que alegria te visito”.

Grutas de Catulo, Sirmione- Lago de Garda.
Grutas de Catulo, Sirmione- Lago de Garda. Foto: Photosimo / Bigstock
Grutas de Catulo.
Grutas de Catulo. Foto: David Blaikie / Commons Wikimedia https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=7888322

Na verdade, o poeta Catulo viveu no I século antes de Cristo e as ruínas que vemos hoje pertencem ao século sucessivo. O nome Grutas de Catulo, todavia, continua em vigor, pois é realmente muito sugestivo pensar que um tempo por ali caminhava o jovem poeta latino, contemplando a beleza das águas do lago e o marulho das ondas que o acolhiam após o retorno de suas longas viagens:

Olá, charmosa Sirmione: fique feliz pelo teu dono! / Fiquem felizes vocês também, ondas do lago lídio: / riam todas as risadas que têm guardadas para mim.”

As termas

Sirmione é também muito conhecida por ser uma importante zona de águas termais, famosa em toda a Itália e até mesmo no exterior. Desde o Renascimento sabia-se da existência de uma fonte de água quente e sulfúrica submersa no lago, mas só a partir de 1889 conseguiu-se canalizar a água para utilizá-la como fonte termal. Há, por sinal, uma interessante história por trás desse fato.

Vista panorâmica de Sirmione.
Vista panorâmica de Sirmione. Foto: saiko3p / Bigstock

No final do século XIX os equipamentos de mergulho eram obviamente ainda muito rudimentares, o que tornava quase impossível alcançar a dita fonte termal de Sirmione. Isto não impediu, todavia, um corajoso mergulhador – um certo Procópio de Veneza – de realizar a proeza: vestido com um pesadíssimo escafandro de 400 kg, ele conseguiu se submergir até a fonte e fincar na rocha um conduto com o qual derivou a água até a superfície, para grande aplauso da incrédula multidão. Com certeza um feito enorme para a época!

Sirmione hoje

Hoje em dia a península de Sirmione é uma das zonas que mais atrai visitantes em todo o norte da Itália. O mercado turístico tem se tornado, com efeito, muito próspero nos últimos anos, oferecendo uma variedade de atrações para quem decide passar pela cidade: das ruínas romanas ao castelo medieval; dos spas e fontes de águas termais (benéficas principalmente para os problemas respiratórios) aos numerosos esportes aquáticos, como o windsurf e o barco a vela; dos charmosos bares do centro histórico às famosas discotecas, Sirmione com certeza te dará bem mais de um motivo para ficar encantado e com vontade de voltar!

Famosa lojinha decorada com buganvílias roxas.
Famosa lojinha decorada com buganvílias roxas em Sirmione. Foto: Project-Photo / Bigstock

Leia também: ITÁLIA: ATUALIZAÇÃO DAS REGRAS PARA A ENTRADA DE BRASILEIROS


Por Yuri Borges Loyola
Foto de capa: saiko3p / Bigstock