O David de Michelangelo, glória de Florença

Arte e Arquitetura - 12/02/2019
Por Yuri Borges Loyola
Foto de capa: Wikipedia (domínio público)

Um talento promissor, mas jovem, arrogante e instável. Um bloco de mármore colossal, mas de baixa qualidade e danificado, já abandonado por mais de um artista. Uma obra de arte que se tornou o símbolo de Florença e do Renascimento em todo o mundo. Conheça a história por trás do gênio de Michelangelo e de sua incomparável obra-prima, o David.

Réplica do David de Michelangelo. Foto: Aimy27feb / 123RF.

Um talento precoce

Michelangelo Buonarroti nasceu no ano de 1475 em Caprese, uma pequena cidade no interior da Toscana. Sua família, porém, era originária de Florença e tinha sido no passado influente na cidade. No entanto, à época do nascimento de Michelangelo a família passava por graves dificuldades financeiras. Foi justamente essa situação a induzir o pai de Michelangelo a mandar para Florença seu filho de apenas 12 anos a trabalhar como aprendiz na oficina de um artista renomado, Domenico Ghirlandaio.

Florença na primavera, com foco na Catedral Santa Maria del Fiore. Foto: Tomas Marek / 123RF.

O talento do garoto para a escultura não tardou a aparecer: Michelangelo passou a frequentar em Florença o Jardim de São Marcos, onde Lourenço o Magnífico colecionava estátuas da Roma antiga. Conta-se que um dia Lourenço, vendo o garoto esculpir o rosto de um velho fauno, criticou de forma amigável a estranheza de dentes tão bonitos na boca de um sátiro idoso. Mas antes mesmo que Lourenço terminasse de dar uma volta no jardim, o orgulhoso Michelangelo já tinha, com broca e martelo, consertado seu erro, enfeando os dentes do fauno! Lourenço, impressionado com a velocidade e o talento do garoto, resolveu adotá-lo em sua casa: Michelangelo tinha então 15 anos de idade.

Lorenço de Médici, dito o Magnífico, patrono das artes em Florença e pai por “adoção” do jovem Michelangelo. Fachada da Galleria degli Uffizi. Foto: Wikipedia (domínio público).

Foi assim que Michelangelo passou a viver na casa da importante família dos Médici, banqueiros patrocinadores das artes e então senhores da cidade de Florença. Acolhido em casa como um filho pelo próprio Lourenço o Magnífico, Michelangelo passava a viver no coração do Renascimento italiano, podendo se dedicar inteiramente ao estudo da escultura e do mundo antigo, cultivando o próprio talento.

Palazzo della Signoria, mais conhecido como Palazzo Vecchio, sede do governo de Florença, de onde então administrava a cidade Lourenço o Magnífico. Foto: Jakobradlgruber / 123RF.

A aprendizagem pela Itália

Mas toda essa tranquilidade durou pouco: apenas dois anos depois, em 1492, morria Lourenço de Médici, o grande promotor das artes em Florença. O poder passava ao seu primogênito Pedro, de apenas 20 anos, com o qual Michelangelo havia passado a própria adolescência na casa dos Médici. Mas Pedro não se revelou um bom governante e, apenas dois anos depois, foi removido do poder à força pelo povo: junto com ele eram expulsos da cidade de Florença todos os membros da família Médici. Michelangelo, que contava então 17 anos, preocupado com a própria segurança por ser o pupilo dos Médici, resolveu escapar da cidade, abandonando assim o irmão “adotivo” Pedro e o restante dos Médici à própria sorte.

Pedro, primogênito de Lourenço o Magnífico, com o qual Michelangelo conviveu fraternalmente dos 15 aos 17 anos na casa dos Médici. Retrato feito por Domenico Ghirlandaio, professor de Michelangelo em Florença. Foto: Wikipedia (domínio público).

Os anos que se seguiram foram de aprendizagem e muitas viagens: Veneza, Bolonha, de novo Florença e Roma. O talento de Michelangelo começava a despontar com força e surgiam as primeiras obras importantes. Em Roma por exemplo, aos 22 anos, esculpiu sua primeira grande estátua, a Pietà. Considerada até hoje uma das esculturas mais belas da história, a Pietà tornou logo conhecido em toda a Itália o jovem Michelangelo.

A Pietà, esculpida por Michelangelo aos 22 anos, foi sua primeira obra de grande importância. Conservada hoje na Basílica de São Pedro. Foto: Doug Schnurr / 123RF.

Foi justamente a reputação conseguida por Michelangelo com a Pietà que induziu os responsáveis pela catedral de Florença a fazer ao jovem escultor uma proposta desafiadora. Logo após a expulsão dos Médici, havia sido proclamada na cidade a República de Florença: respiravam-se novos ares na cidade, de renovação e liberdade, e o novo governo queria encomendar uma obra de arte que representasse esses ideais. Os responsáveis pela catedral da cidade pensaram logo numa figura bíblica famosa, que bem podia representar a nova República de Florença, vitoriosa contra a gigantesca riqueza dos Médici: tratava-se naturalmente do jovem Davi, vencedor contra o gigante Golias.

Santa Maria del Fiore, igreja catedral de Florença. Foto: Brian Kinney / 123RF.

O retorno a Florença e o grande desafio

A Catedral decidiu então incumbir o jovem Michelangelo de realizar uma estátua de Davi usando um bloco de mármore colossal de antiga propriedade da igreja. A tarefa era francamente ingrata e muitos duvidavam que ela pudesse ter bom êxito: o bloco era de baixa qualidade, cheio de rachaduras e furos e, em algumas partes, até mesmo avariado. Para piorar, não era a primeira vez que se tentava trabalhar o bloco: ele já tinha sido usado por outros dois artistas que tinham tentado esculpi-lo, mas ambos desistiram depois de pouco tempo, abandonando o projeto pela metade e descartando o bloco usado. Foi nessas condições que o gigante bloco de mármore chegou às mãos do jovem escultor de 26 anos, Michelangelo, o qual logo aceitou o desafio.

David de Michelangelo, detalhe da mão direita. Foto: Malgorzata Kistryn / 123RF.

Michelangelo trabalhou na sua estátua incansavelmente por três anos, sob os olhares e a grande expectativa de toda a cidade. Na visão de Michelangelo, o mármore continha já dentro de si a figura pronta e perfeita, quase como aguardando para vir à tona: o trabalho do escultor era somente aquele de “tirar o excesso”, liberando a forma aprisionada e adormecida até então dentro da pedra. Aos poucos começava a emergir, sob os golpes de seu martelo, aquela que para muitos é a mais bela escultura da história da humanidade: o David de Michelangelo.

O David de Michelangelo, completado em 1504 após apenas 3 anos de trabalho. Foto: Wikipedia (domínio público).

A obra-prima inigualável

A reação dos florentinos diante da obra acabada foi de completa maravilha e espanto. Nunca tinha se visto nada igual com o qual tentar algum tipo de comparação, nem mesmo entre as obras-primas dos gregos e dos romanos. Com seus mais de 5 metros de altura, o David de Michelangelo é a encarnação absoluta da força, da beleza e da perfeição: olhar orgulhoso, penetrante e quase desafiador; corpo jovem e atlético, no máximo da sua força e vigor; pose concentrada e pronta para o combate, mas sem perder a própria natural nobreza e compostura. Era o símbolo perfeito para a jovem e orgulhosa República de Florença, pujante e destemida contra seus inimigos.

Detalhe do rosto do David, com expressão orgulhosa e desafiadora: o jovem herói bíblico está prestes a atacar o gigante Golias. Foto: Wikipedia (domínio público).

Diante de tamanha perfeição, o governo da cidade decidiu até mesmo mudar o próprio plano inicial de destinar a estátua à Catedral da cidade e preferiu-se, ao invés disso, colocá-la num lugar de maior destaque: na Piazza della Signoria, praça principal e coração da cidade de Florença. E foi assim que, no dia 8 de setembro de 1504, em meio ao júbilo e à ovação de toda a cidade, o David era enfim inaugurado oficialmente e colocado ao ar livre na frente do Palazzo Vecchio, sede do governo da cidade.

Entrada do Palazzo Vecchio na Piazza della Signoria, com réplica do David à esquerda, colocada no lugar da estátua original. Foto: Daniel Ferreira-Leites Ciccarino / 123RF.

E ali o David restou, exposto a céu aberto na praça central de Florença, até o ano de 1873, quando se decidiu enfim abrigar a estátua em um museu para protegê-la do desgaste devido às intempéries. No entanto, em 1910 foi colocada uma réplica da estátua na sua antiga posição, de maneira que nós também podemos hoje ter uma ideia do efeito que a escultura fazia posta em meio à praça. Mas quando você estiver em Florença, não deixe absolutamente de ir até a Galleria dell’Accademia para visitar o verdadeiro David esculpido pelas mãos de Michelangelo: uma obra-prima da arte italiana, inimitável na sua perfeição e indescritível na sua beleza, que nenhuma réplica ou foto podem minimamente render.

Davi de Michelangelo exposto na Galleria dell Accademia em Florença. Foto: Tim2infinity / 123RF

Dicas Cenci

Receba promoções e novidades antes de todo mundo!
Whatsapp
Precisa de ajuda? Atendimento por WhatsApp

Atendemos de segunda a sexta, das 09h00 às 18h00

Clique para iniciar o atendimento