A Toscana Desconhecida

Regiões Italianas - 16/01/2017
Por Adrian Theodor

Em nosso último texto, destacamos um roteiro imperdível: Florença. Porém, para além desta magnífica cidade, separamos quatro visitas que precisam ser inseridas em sua ida à Toscana, mas que nem sempre estão presentes nos pacotes turísticos que você encontra por aí.

Entre Florença, Siena e Arezzo, formando um quadrilátero no mapa da Toscana, pensamos em um roteiro de dois dias, que pode ser feito com um veículo alugado, ou com transporte fretado, que pode ser negociado com seu agente de turismo.

Dica: Organizamos neste texto um roteiro de dois dias. Porém, se couber na sua viagem, aconselhamos passar um dia em cada um dos lugares destacados, formando um roteiro de quatro dias pela Toscana.

Siena não tem aeroporto, recomendamos que você desça no Amerigo Vespucci, em Florença. Se a viagem de avião foi muito longa, ofereça a si mesmo merecido descanso na capital da Toscana. Agora, se você, como eu, não quer perder um segundo de aventura em um roteiro inédito, tente chegar em Florença na parte da manhã e alugue um carro por ali mesmo.

Vale de Chianti

A partir de Florença, pegue a Rodovia SR222 (Strada Regionale 222 Chiantigiana) e faça a rota do vinho Chianti. Não tenha pressa e aprecie a vista. A rodovia é estreita, não tem acostamento e não permite alta velocidade. Então percorra cada trecho do caminho como quem degusta o vinho Chianti, um dos mais famosos e saborosos do solo italiano.

Chianti da Toscana

Ao longo da SR222, você encontrará diversos vilarejos e pequenas “cidades”, típicos da Toscana. Recomendamos que você pare um pouco em Strada in Chianti, Greve in Chianti, Panzano in Chianti e Castellina in Chianti. Em cada uma, por menor que pareça, como em tantos outros lugares da Itália, surpreende o cuidado com a história (sempre há um museu ou uma Igreja Católica abertos para visitação), com a culinária (Osterias, Pizzarias, Cantinas, ao infinito), com a Natureza e, claro, com o Vinho!

De Castellina in Chianti, onde você deve almoçar, pegue o caminho para Colle di Val d’Elsa, nossa próxima parada.

Vale de Elsa

No Vale do Rio Elsa (Val d’Elsa), já em Siena, nossas atenções se voltarão para duas comunas italianas belíssimas: Colle di Val d’Elsa e Casole d’Elsa.

A primeira é conhecida como “Cidade dos Cristais” e se orgulha por produzir cristais que estão entre os melhores do mundo e correspondem a cerca de 15% da produção mundial. Visite o Museu do Cristal ou uma das diversas fábricas artesanais localizadas na Comuna. Mas não deixe de visitar o Museo Civico e Diocesano d’Arte Sacra. Parada obrigatória para quem aprecia arte e história em uma linha do tempo de obras que vão do século VI ao século XX.

Colina em Val d’Elsa

Após perder o fôlego com a paisagem e a história de Colle di Val d’Elsa, trafegue pela SP27 até Casole d’Elsa. Ali, você terá contato com aquilo que, para mim, define a Itália: o cuidado com sua história. Casole D’Elsa é uma pequenina comuna, com mais ou menos 3 mil habitantes e, ainda assim, possui um Museu Arqueológico e de Arte Sacra com obras datadas do final da Idade Média e início da Idade Moderna. Não deixe de ver o Museo Archeologico e della Collegiata Maria Assunta. Ele merece cada minuto do seu olhar de viajante.

Vista panorâmica de Casole D’Elsa

Descendo a rua, termine sua visita pelo Vale do Rio Elsa com um café na Osteria del Caffè Casolani. O proprietário se orgulha por usar ingredientes locais e conforme a estação do ano. O cardápio, portanto, não é fixo, e o atendimento é um primor.

Ao final do dia, recomendamos a estadia em um hotel e Siena. Há mais estrutura por lá e fica mais ou menos no meio do caminho da nossa próxima parada: Val d’Orcia.

Vale de Orcia

Saindo de Siena, pegue a SR2 e a SP14 com direção a Montalcino. Saia cedo e não tenha pressa no trajeto. Você vai passar por castelos, pequenas vilas, casas isoladas, campos, vinícolas, trigais, olivais, formando paisagens que certamente estão entre as mais belas do mundo.

Paisagem da Toscana

Já na SP14, visite uma das fazendas produtoras de vinho. Na região, são confeccionados os exclusivos vinhos Brunello di Montalcino, Rosso de Montalcino, Sant’Atimo Doc e o Moscadello Doc. Vinhos tintos de altíssima qualidade, exclusivos da Comuna e reconhecidos no mundo inteiro.

No centro da Comuna, visite seus registros históricos. A Fortezza di Montalcino (construída no século XIV como marco da disputa da Comuna por Florença e Siena), a Piazza del Popolo (que abriga as principais construções políticas da Comuna, como a Câmara Municipal, retrato fortíssimo das influências Renascentistas na arquitetura local), e as Igrejas de San Pietro e da Madonna del Soccorso.

Fortezza di Montalcino

Saia pela SP146 até Montepulciano. Apesar da beleza desta estrada ser também estonteante, use o tempo a seu favor e a cruze em mais ou menos 40-50 minutos. Há muito o que ver no ponto de chegada e não queremos deixar o Vale de Chiana para trás.

Vale de Chiana

Entre o Val d’Orcia e o Valdichiana está Montepulciano, Comuna italiana de Siena, localizada no topo de uma colina.

Assim que chegar ao centro de Montepulciano, aprecie a vista do topo da colina. Você poderá ver, de um lado, o Vale do Rio Orcia, por onde já passou, e, do outro, o Vale do Rio Chiana, que ainda irá visitar. Para mim, a sensação foi a de uma melancolia esperançosa entre o passado e o futuro, o que já foi e o que ainda há de vir.

Vista aérea de Montepulciano

Caminhe, finalmente, pelo centro histórico de Montepulciano. As pequenas ruas da Comuna mostram desde pequenas casas residenciais, símbolos da tradição local, até grandes palácios que representam parte do poder político e religioso da Família Medici. Aproveite a caminhada para explorar as mais diversas enotecas e empórios que a Comuna oferece. Cada esquina mostrará para você um segredo que só conhece quem mantém o olhar vivo para o que tem a oferecer o Velho País.

Dentre os principais pontos considerados turísticos, estão seus diversos portais, como a Porta dele Farine, suas torres de vigilância, como a Torre de Pulcinella, a Chiesa de San Baggio e o Palazzo Comunale.

Chiesa de San Baggio – Montepulciano

O fim de nossa viagem está chegando, mas ainda precisamos voltar para Florença. Faça o caminho mais rápido, pela E35, saindo de Montepulciano, e a A1 (Autoestrada del Sole), passando pelo Valdichiana. A estrada revelará para você uma das características mais importantes do Vale, que você já viu do alto: sua imensa riqueza produtiva. Longas e belíssimas paisagens verdejantes, de agricultura exuberante e criação de gado imponente farão companhia a você até que a estrada se torne um símbolo da memória do que já passou. Guarde-a para sempre e até a próxima viagem!

Dicas Cenci

Receba promoções e novidades antes de todo mundo!
Whatsapp
Precisa de ajuda? Atendimento por WhatsApp

Atendemos de segunda a sexta, das 09h00 às 18h00

Clique para iniciar o atendimento